Eu poderia sentir o gosto agridoce na minha boca
/ before
0 notes Incondicional - Capítulo 08

Cena 01, Restaurante, Noite.

Roberta sorriu sordidamente após recusar proposta de Eduard. Ela ficou surpresa ao ver Rafael e Isabel entrarem juntos, Eduarda olha para trás e também o vê acompanhado da loira. E agora? As duas mulheres completamente apaixonadas pelo pintor bonitão, não esperavam que fossem vê-lo com outra mulher.

EDUARDA – Tudo bem, já que é essa sua resposta…

Nossa mocinha pegou sua bolsa e saiu em direção à porta, ainda olhou para trás e observou Rafael por alguns segundos. Roberta não saiu do lugar, só observava o pintor ao lado da loira, Isabel então, retirou-se da mesa e foi em direção ao Toalete e Roberta fez o mesmo. Estava lá retocando sua maquiagem, diante do espelho, entra Roberta, um sorriso malicioso estampado no rosto, ficou ao lado da moça e a encarou pelo espelho.

ROBERTA – Não imaginava que ele andava com tipinhos como você!

ISABEL – Não entendi, falou comigo?

ROBERTA – É de você mesmo que estou falando, coitada, só mais uma, se bem conheço o Rafael!

ISABEL – O que tem ele? Quem é você?

ROBERTA – Pergunte a ele quem é Eduarda, acho que vai gostar de saber da história, bom apetite!

Roberta deixa o toalete deixando Isabel intrigada, estava morrendo de ódio da nova namoradinha do pintor, tinha a sensação que teria muito trabalho pela frente, saiu do restaurante e entrou em seu carro.

Cena 02, Quarto de Eduarda, Banheiro.

Eduarda estava exausta, abriu a torneira de sua banheira, começou a se despir e depois entrou, não conseguia parar de pensar em Rafael, seus olhos se enchiam de lágrimas, ela estava deitada sob a água, escorria sangue em um de seus pulsos. Começou a lembrar do tempo em que estava ao lado do pintor.

RAFAEL – Ei, fica!

EDUARDA – Não posso, queria muito!

(Ele pós sua mão por trás do pescoço dela, aproximou sua boca a dela e lhe tascou um beijo).

RAFAEL – Como pode abandonar assim o amor da sua vida?

EDUARDA – Não estou abandonando, eu volto, eu prometo!

RAFAEL – E se eu pedir com carinho? Você fica?

Os dois estavam em cima de uma arvore, sim, queriam ter a sensação de liberdade, talvez desse jeito, lá em cima, os dois obterem suas respostas, sim, os dois sabiam o quanto se amavam.

EDUARDA – E se eu cair? Você cai comigo?

RAFAEL – Eu não recomendaria que você fizesse isso, eu poderia descer, mas acho que daria tempo de salvá-la, mas não correrá o risco, estou te segurando!

Ele sorriu para a sua amada e ali mesmo se beijaram apaixonadamente. É verdade que tudo que é bom tem um final? Eu prefiro acreditar que não, se você ama alguém, cuide bem desse alguém.

Cena 03, Apartamento Rafael, Sala.

Felipe abre a porta e da de cara com o amigo e sua nova namorada, Isabel, parece não ter gostado muito, os dois então, pareciam não gostar muito um do outro.

RAFAEL – A Isabel vai dormir aqui hoje!

FELIPE – Não arrumei seu quarto!

ISABEL – Não vejo problema algum, eu dou um jeito!

A loira se retira da sala e vai para o quarto, Felipe senta no sofá e Rafael o observa.

RAFAEL – Parece que você não gosta da Isabel, por que em?

FELIPE – Não é difícil de entender, acho que você no fundo deve saber o motivo!

RAFAEL – Tudo bem, você pode não gostar dela, mas ela está comigo, espero não me aborrecer e que pelo menos tenha a educação de trata-la bem, vou para meu quarto.

Felipe não esperava a reação do amigo, a loira estava enchendo sua cabeça, os dois nunca tinham se desentendido, sabíamos bem o que Isabel queria. A loira arrumou o quarto do pintor em alguns segundos, surpreendendo-o com uma lingerie vermelha.

ISABEL – Hoje a noite é só nossa!

RAFAEL - Falei com o Felipe, não vou mais ele te tratar do jeito que me contou! Esta também é minha casa!

ISABEL – Esquece isso amor, me beija!

Ele viu o rosto de Eduarda, havia pétalas de rosas sob a cama e todo o chão, fechou os olhos e alguém falava próximo a ele.

EDUARDA – Adoro sua voz, seu sorriso, sua boca, o jeito que costuma andar, sensação maravilhosa é quando você encosta seus lábios nos meus…

Cena 04, Faculdade, Cantina.

Eduarda e Raquel estão juntas na cantina, as duas estão cheias de livros para estudar, o ânimo da nossa mocinha parece que não.

RAQUEL – Onde você está com a cabeça?

EDUARDA – Ouvi uma música hoje, fiquei triste.

RAQUEL – Vou pegar um café, me espera?

EDUARDA – Tudo bem!

Raquel saiu, acabou derrubando sua bolsa, Eduarda levanto-se e colocou o mesmo no lugar, ela então olhou e viu que havia algo no caderno da amiga, viu o rosto de Rafael estampado no caderno, tinha corações desenhados por canetas vermelhas, Raquel tinha acabado de voltar.

RAQUEL – O que você está fazendo?

EDUARDA – O que significa isso Raquel?

(Eduarda joga o caderno no chão furiosa).

RAQUEL – Eu posso explicar, não é isso que você esta pensando!

EDUARDA – O que a foto do Rafael está fazendo no seu caderno?

Raquel ficou sem reação e Eduarda a encarava esperando uma resposta, ela baixou e pegou o caderno no chão, colocou sob o seu peito e começou a chorar.

RAQUEL – Eu sempre fui apaixonada pelo Rafael, sempre, antes mesmo de você conhecê-lo, foi eu que apresentei você a ele, eu que fiquei e suportei tudo calada, eu deixei de lutar por ele porque eu sou sua amiga!

EDUARDA – Minha amiga?

RAQUEL – Não me importa com o que vai pensar, tenho minha consciência se encontra limpa!

EDUARDA – Você não poderia ter me traído desse jeito!

As duas amigas se encararam por longo segundos, nossa mocinha não esperava que sua melhor amiga tinha um dia se apaixonado por seu namorado, corrigindo, ex-namorado, e o que você faria se descobrisse algo assim? Bem, difícil, Eduarda pegou suas coisas e foi embora.

Cena 05, Rua, Dia.

Rafael tinha acabara de sair do Edifício onde mora, estava usando um All Star vermelha, uma calça branca colada e uma camisa xadrez, logo atrás, vinha um carro que o acompanhava, era Roberta, ela parou diante dele e buzinou.

RAFAEL – O que você quer?

ROBERTA – Preciso conversar com você, Rafael!

RAFAEL – Que eu saiba nada tenho a conversar com você!

Ela apontou uma arma para o rapaz.

ROBERTA – Entra no carro!

Ele não imagina que ela seria capaz de tal ato, foi obrigado a entrar, ela sorriu como sempre, acelerou o carro e saiu em alta velocidade.

RAFAEL – O que pretende com isso?

ROBERTA – Eu pretendo ter você!

RAFAEL – E é assim desse jeito? Você está louca, Roberta?

ROBERTA – Eu sempre fui louca por você!

Ela para o carro em uma rua e aponta novamente a arma para ele.

RAFAEL – Eu vou embora, baixa essa arma, eu sei que não deseja complicações com a policia, isso é um sequestro!

ROBERTA – Me beija!

Rafael ficou parado diante dela, não queria nenhum pouco beijá-la, queria escapar de tudo aquilo, então, uma de suas mãos se aproximou da porta, ele então conseguiu sair, acabou esbarrando em Alice, que acabou se assustando com a cena.

ALICE – O que está acontecendo?

Cena 06, Apartamento Rafael, Sala.

Isabel sai com peças intimas, pega uma xícara na cozinha e senta na poltrona diante de Felipe, ele se encontra no sofá lendo um livro.

ISABEL – Você ainda não se deu conta que está sobrando por aqui?

FELIPE – Eu ouvi isso?

ISABEL – Se você não é surdo, é claro que ouviu!

FELIPE – Muito bem, eu não sei de onde você veio, quem sabe onde o Rafael te catou, sim, eu moro aqui, divido esse apartamento com o Rafael, meu amigo, você quem é? Ah, eu sei, uma das namoradinhas dele, e?

ISABEL – Você não gosta disso não é? Não gosta que eu seja a namoradinha do seu amiguinho porque na verdade é você que queria ser o namorado dele, você não me engana!

FELIPE – Vadia!

Isabel sorri, levante-se, toma o livro dele e joga pela janela.

ISABEL – Não pense que será fácil!

FELIPE – Olha o que você fez! Sua loira aguada de farmácia!

Felipe ficou furioso, Isabel tinha jogado um de seus livros importantes para estudo de medicina, não pensou duas vezes, tinha forças suficientes para expulsar a namoradinha do amigo de casa, agarrou-a pelo braço e colocou porta a fora apenas de roupas intimas, bateu a porta com força.

Cena 07, Rua, Tarde.

Alice flagrou Roberta apontando uma arma para Rafael, não entendeu nada, ficou parada junto ao pintor, Roberta estava ainda dentro do carro.

RAFAEL – Esta louca! Vai embora Roberta!

ROBERTA – Eu te amo, Rafael! É Com você que eu quero ficar!

ALICE – Chamei a polícia!

Roberta olha indignada para Alice, acelera o carro e sai.

RAFAEL – Você chamou mesmo a polícia?

ALICE – Era o que eu deveria ter feito, mas ainda não sou a batgirl misturada com a super woman para ser tão speed rápida!

RAFAEL – Aquela mulher é uma louca, vive correndo atrás de mim!

(Alice sorri).

ALICE – Womanizer?

RAFAEL – Que posso fazer se todas correm atrás de mim!

ALICE – Vai me dizer por que você tem uma barba perfeita, parece o príncipe que toda garota almeja, anda de cueca no meio de casa e encanta qualquer bobinha por ai, realmente, eu não sou uma delas!

RAFAEL – Não exagera! Obrigado por ter me livrado da Roberta, mas não acredito que ela faria mal a mim, mulheres, eu não consigo entendê-las!

ALICE – Vira goy ué, nova onda, homens que fazem sexo oral com outros e não querem ser chamados de gays! Poser, bla bla bla! É tudo gay mesmo, nada contra, se eu fosse uma, eu seria com prazer e saberia bem o que gosto e o que não gosto, homem com homem agora está dando outro nome! To bem loucona!

RAFAEL – Aceita um café?

Mas quem diria? Nossa Alice alucicrazy e nosso príncipe, juntos, isso não vai prestar!

Cena 08, Mansão Roberta, Noite.

Jumira abre a porta para Eduarda e fica surpresa.

JUMIRA – Dona Eduarda?

EDUARDA – Eu sei que a bruxa da Roberta não se encontra, eu vim aqui buscar alguns pertences!

JUMIRA – Mas que pertences? Dona Roberta me mata se souber que a senhorita esteve aqui sem a permissão dela!

(Jumira pensa em Roberta).

ROBERTA – Sua empregadinha ordinária, eu dei ordens para que ninguém entrasse aqui sem a minha presença, você estava surda quando eu ditei essa ordem?

(Eduarda pega o celular e liga para o Pai).

EDUARDA – Pai? Lembra-se daquela caixa de joias da mamãe?

RENAN – Meu deus! Como eu pude me esquecer? Deve estar no cofre querida da mansão!

EDUARDA – Estou na mansão, essas joias pertenciam a minha mãe e não pertence a Roberta, vou confiscá-las!

Eduarda desliga o telefone sobe as escadas em direção ao quarto de Roberta.

Cena 09, Bar, Noite.

Alice e Rafael se encontram em um bar, um garçom se aproxima e serve mais bebidas, ela esta com a maquiagem borrada, ele com o cabelo bagunçado, os olhos de cada um brilham intensamente.

ALICE – Como você consegue dar conta de tudo isso?

RAFAEL – Não é nada fácil, ás vezes penso que é melhor ficar sozinho, dá menos trabalho!

ALICE – É por isso que sou para sempre sozinha, não dependo de ninguém e nem fico por ai lamentando amores imaginários, amores são como vômitos de alegria e decepções. Não que eu já tive alguma decepção amorosa, eu acho que já sou uma decepção em pessoa, mas estou feliz com meu atual estado.

RAFAEL – As mulheres são bem difíceis de entender, se eu namorasse um homem, será que seria diferente?

ALICE – É tudo a mesma coisa, o que diferencia é uma torneira e uma esponja, relacionamentos são como aulas de matemática! Nunca fui bem nessa matéria.

Os dois pegam seus respectivos copos de cerveja e tornam a beber, esta uma noite maravilhosa, só agora percebi já que não estou prestando atenção nos dois alcoólatras dessa cena.

Cena 10, Mansão Roberta, Escada, Noite.

Ouve-se passos subirem as escadas, Roberta acabara de chegar, escondia uma arma, a mesma que apontou para Rafael e foi em direção a seu quarto. Eduarda tinha achado a caixa de joias que pertenciam a sua mãe.

EDUARDA – Elas estão bem aqui! Não deixarei que a bruxa tome posse do que não pertence a ela!

(Ela coloca as joias dentro de sua bolsa, Roberta entra no mesmo instante).

ROBERTA – O que acha que você está fazendo?

EDUARDA – Roberta?

Roberta vê que o cofre foi aberto, ela nunca teve acesso a ele, era o cofre da mãe de Eduarda.

ROBERTA – Fala logo, qual o motivo desse cofre aberto?

EDUARDA – Este cofre pertencia a minha mãe e vim buscar o que tinha nele, não é nada de seu interesse!

ROBERTA – Mostra o que tem nessa bolsa!

(Roberta aponta a arma para Eduarda).

Sim, Roberta se casou com Renan, mas nunca teve acesso ao cofre que pertencia à falecida esposa de Renan, nunca soube da existência dessas joias e agora?

Continua…

 

 

12,486 notes